Posts tagged Cidade Baixa
Festa no jardim de casa

O casarão charmoso da Profana – marca que produz moda feminina autoral há 18 anos – abre as portas do pátio interno para uma tarde de muita arte, música e moda e, com isso, se transforma no novo espaço cultural de Porto Alegre. .
Com isso, o casarão, que já foi moradia da criadora da loja, Simone Moro, passa a funcionar também como espaço cultural aberto para manifestações artísticas e eventos que valorizam a produção local e fomentam a criatividade e um olhar mais sustentável para a moda. Uma notícia alentadora para a cidade e, em particular, para o bairro mais agitado da capital gaúcha. .
– A ideia é trazer pessoas que curtem arte e cultura para não limitar a circulação só a quem está fazendo compras aqui, diz Simone. Em seguida, ela acrescenta: – Às vezes, a gente se sente um pouco sozinha na loja, por isso, quer chamar a cena artística e cultural da cidade para também ocupar o espaço. .

Read More
Casa Profana

O sobrado da Rua Lima e Silva já é familiar para as mulheres que apreciam roupas e acessórios feitos com as mãos e o coração.

No domingo, 11/novembro, a casa que abriga a loja Profana da Cidade Baixa abriu espaço para um evento colaborativo inspirado no conceito de slow fashion e na valorização de toda a cadeia produtiva da moda sustentável. Das duas da tarde às oito da noite, cinco marcas autorais de estilistas gaúchos estiveram reunidas na primeira edição do Bazar Profana.

– Estamos abrindo a casa para novas ideias e eventos. Acreditamos que a Profana deve ser um difusor da cultura de nossa cidade, destaca a proprietária da loja Profana, Simone Moro.

Read More
SOS CB

O Hackatown – literalmente, hackear uma cidade –, é um vento que cria espaço e oportunidade para que as comunidades locais discutam seus problemas e apontem soluções que, de preferência, possam ser fácil e rapidamente aplicadas, sem depender do aporte de grandes recursos ou da ajuda de governos.

– A comunidade em questão pode ser uma cidade, um bairro, uma universidade ou uma organização, explica Rafael Perez, o Rafinha, de 25 anos, fundador do Hackatown.

Já houve um Hackatown sobre os problemas do bairro Floresta, no Quarto Distrito, outro a respeito das dificuldades do município de Caxias do Sul e um terceiro circunscrito aos desafios do curso de Administração de Empresas, da UFRGS.

Neste fim de semana, é a vez do Hackatown da Cidade Baixa (ou CB, para os íntimos), o coração boêmio de Porto Alegre, localizado entre o Centro Histórico e o maior parque da cidade, a Redenção.

Palco de muitas festas e iniciativas culturais, a CB é também um bairro residencial e comercial, o que gera constantes conflitos e reclamações vindos de todas as partes envolvidas.

Read More
Jekyll à solta

Após marcar época com o bar Dr. Jekyll, na Cidade Baixa, os gêmeos César e Paulo Audi transformam café em ponto de encontro no Centro Histórico e preparam nova incursão na cena noturna.

Os donos do Cine Café, abrigado na Travessa dos Cataventos – corredor de paralelepípedo que divide as duas alas do prédio da Casa de Cultura Mario Quintana, ligando a Rua da Praia à Sete de Setembro –, são os irmãos gêmeos César e Paulo Audi, de 56 anos,

Antes de abrir o ponto na Casa de Cultura, os gêmeos ficaram conhecidos pela concepção de alguns dos mais emblemáticos bares noturnos de Porto Alegre das últimas décadas, especialmente o Dr. Jekyll, fundado em 1996 na Travessa do Carmo, junto ao Largo da Epatur.

O nome do bar era inspirado no filme O Médico e o Monstro, clássico de horror dirigido por Victor Fleming em 1940, com Spencer Tracy, Ingrid Bergman e Lana Turner.

Na trama baseada no livro O Estranho Caso de Dr. Jekyll e Mr. Hyde, de Robert Louis Stevenson, publicado em 1886, um médico de bons modos – para demonstrar a teoria de que o bem e o mal coabitam o coração humano – inventa uma porção capaz de trazer à tona o lado demoníaco de cada pessoa.

Ao experimentar ele próprio a fórmula química, algo dá errado e o cientista perde o controle de sua personalidade oculta (Hyde é um trocadilho com o verbo hide, que significa esconder, ocultar).

O conceito da casa noturna dos Audi flertava com os paradigmas do conto de horror:

– O pessoal entrava de um jeito e saía de outro. A bebida alcoólica é também uma porção que faz brotar o lado oculto das pessoas, diz Paulo.

Mas, no caso do Dr. Jekyll da Cidade Baixa, as transformações eram para o lado do bem. As alterações de personalidade faziam, por exemplo, com que as distinções de raça, credo e status social ficassem do lado de fora.

– Não havia frescura em relação à roupa que a pessoa estava usando ou à classe social a que ela pertencia. Os clientes tiravam as máscaras quando entravam no bar, observa César.

Cientistas malucos à parte, o Dr. Jekyll era como se fosse “a sala estar de uma grande família”, compara Paulo, por causa da descontração e da simplicidade que predominavam no ambiente. A tal ponto que, com tanto Mr. Hyde à solta no salão, nunca houve uma briga lá dentro.

– Mais parecia um clube do que um bar. A turma tinha até caderninho para anotar as despesas e pagar no fim do mês, assinala César.

Read More