Casa Profana

Bazar na cidade baixa abriu espaço para marcas autorais, valorizando a cadeia produtiva da moda sustentável

 Solilóquios: brechó sentimental-artístico-experimental disponibiliza moda alternativa em plataforma online (Fotos/Divulgação)

Solilóquios: brechó sentimental-artístico-experimental disponibiliza moda alternativa em plataforma online (Fotos/Divulgação)

O sobrado da Rua Lima e Silva já é familiar para as mulheres que apreciam roupas e acessórios feitos com as mãos e o coração.

No domingo, 11/novembro, a casa que abriga a loja Profana da Cidade Baixa abriu espaço para um evento colaborativo inspirado no conceito de slow fashion e na valorização de toda a cadeia produtiva da moda sustentável. Das duas da tarde às oito da noite, cinco marcas autorais de estilistas gaúchos estiveram reunidas na primeira edição do Bazar Profana.

– Estamos abrindo a casa para novas ideias e eventos. Acreditamos que a Profana deve ser um difusor da cultura de nossa cidade, destaca a proprietária da loja Profana, Simone Moro.

O bazar contou ainda com cerveja artesanal e comidinhas gostosas, além do som de Kafu Silva, lendário DJ da cena musical da cidade – criador de festas como Baile Brasa, Zelig Dum e Crioulina.

Paisagem campestre

Uma das marcas convidadas foi a Of Design, aberta há dois anos e meio pela designer gráfica Márcia Oliveira Ferreira.

A aparição da Of Design coincide com a mudança da dona de mala e cuia de Porto Alegre para uma fazenda em São Francisco de Assis, na região oeste do Estado. O contato com a natureza inspirou Márcia a produzir porcelanas decorativas, com aplicação de decalques ou pintadas à mão com tintas e canetas especiais.

Ela define o trabalho como uma poesia visual, que transita entre as esferas do feminino, do místico e da contemporaneidade.

 Porcelanas decorativas da Of Design: poesia visual que transita entre o feminino, o místico e a contemporaneidade

Porcelanas decorativas da Of Design: poesia visual que transita entre o feminino, o místico e a contemporaneidade

A concepção tem muito a ver com o ambiente em que as porcelanas são configuradas. Pela porta de vidro do atelier, Márcia vislumbra um cenário inspirador – a vista para o campo se estende até o largo horizonte pontuado por figuras de cavalos e ovelhas.

– As ovelhas de vez em quando até entram no atelier, diverte-se ela.

Já a marca Resto Zero, outra que participou do Bazar Profana, surgiu há dois anos a partir de estudos acerca dos impactos sociais e ambientais da indústria de fast fashion realizados por Lu Trento no curso de Design de Moda da UniRitter.

Disposta a tomar outro rumo, ela passou a produzir blusas, saias, vestidos e casacos, além de bolsas e brincos, a partir de resíduos de tecido e couro. O intuito é reduzir a prática de descarte e, através de técnicas como moulage e upcycling, devolver ao público peças únicas e diferenciadas, ajustadas aos mais diversos tamanhos e, acima de tudo, sem gênero. Ela também faz questão que sejam autênticas e atemporais.

– Gosto de pensar que poderiam ter sido utilizadas 20 anos atrás ou que poderão ser usadas daqui a 20 anos, comenta a dona da marca que possui um ponto de venda no Vila Flores.

 Resto Zero: peças únicas e atemporais produzidas a partir de resíduos de tecido e couro diminuem a prática do descarte

Resto Zero: peças únicas e atemporais produzidas a partir de resíduos de tecido e couro diminuem a prática do descarte

Diálogo interno

O Bazar Profana teve também a presença da Solilóquios, marca de brechó “sentimental-artístico-experimental”, de acordo com a definição de sua criadora, a publicitária Isadora Hernandez.

Para quem não sabe, a palavra solilóquio remete ao diálogo interno de cada ente humano – dito de outra forma, se refere aos pensamentos e sentimentos mais profundos que habitam o indivíduo e, de alguma forma, precisam ser externalizados.

Em sintonia, a Solilóquios se constitui num brechó online, que disponibiliza acervo de moda alternativa, atual e retrô no Instagram, complementado por experimentos artísticos (textos e prints de colagens e fotografias) idealizados por Isadora.

 Filipa Pan y Café: delícias feitas em casa

Filipa Pan y Café: delícias feitas em casa

Completaram a lista de participantes do evento a Prêt-à-Portella (marca autoral de roupas femininas) e a Me Voy (que produz bolsas e mochilas a partir de couro vegano).

Ao longo do domingo, ficou estacionado em frente à loja o food truck das cervejarias artesanais LeprechaunBeer e DNA Beer. Lá dentro, o Filipa Pan y Café ofereceu um cardápio de delícias para os convidados.

– Como os demais envolvidos no bazar, temos essa batida da coisa feita com amor, de modo artesanal. Praticamente tudo que a gente vende é produzido por nós, diz Liane Moro, dona do Filipa Pan y Café.

Aberto há pouco mais de dois meses, o Filipa Pan y Café trabalha com tortas doces e salgadas, bolos, muffins, pães e antepastos, entre outras receitas. Em sua sede, na Rua Giordano Bruno, bairro Rio Branco, dispõe de uma lojinha onde é possível adquirir pimentas, molhos e geleias, além de cervejas artesanais, cachaças e licores.

Uma coisa é certa: Liane se sentiu literalmente em casa no domingo. Afinal, ela é irmã de Simone, dona da Profana. Ambas viveram a infância e a adolescência no prédio que hoje hospeda a loja da Rua Lima e Silva, de propriedade da família.

bannerprofana-01.png

O Bazar Profana foi o primeiro de uma série de eventos promovidos na loja da CB em comemoração aos 18 anos de vida da Profana, completados em 2018.

Ao longo do período, a marca que conta duas lojas – na Cidade Baixa e na Galeria Chaves, no Centro Histórico – e produz cerca de 30% das roupas oferecidas em suas araras e vitrines vem apostando na ideia de que “a moda é, acima de tudo, vestir o que dá prazer e conforto, em sintonia com o corpo e o espírito”, como salienta Simone.

O calendário comemorativo inclui bate-papo da psicóloga Ceura Nolasco, especialista em Desenvolvimento Humano, sobre arquétipos femininos e masculinos e a busca pelo equilíbrio, na tarde do sábado, 17/novembro, além de conversa de astrologia com a participação da jornalista Marília Rizzon, a Lila, no dia 23, sexta-feira.

Carreira, autoconhecimento e propósito de vida compõem os temas em debate no sábado, dia 1º/dezembro, com o coach James Marcelo. Por fim, a rodada de eventos fecha com a discussão a respeito de moda e sustentabilidade com a publicitária Andréia Marin Martins, CEO da Esfera Sustentável Negócios, no dia 4/dezembro, terça-feira.